1. Home
  2. Notícias
  3. Esperança Gicasso – A professora que corre e inspira os seus alunos através do desporto

Esperança Gicasso – A professora que corre e inspira os seus alunos através do desporto

A Escola Óscar Ribas e o Instituto Médio de Formação de Professores - Garcia Neto não foram simplesmente paredes para a atleta paralímpica Esperança Gicasso – É o Mundo para ela
Atleta paralímpica invisual agradece o apoio da bp dentro e fora das pistas
 

Foi na Escola Óscar Ribas que a Esperaça, de 28 anos, começou e concluiu o seu Ensino primário e secundário, onde foi introduzida no desporto adaptado pelo director da escola e agora trabalha a tempo inteiro há 8 anos e meio. 

Apoio que mudou a sua vida

A única menina numa família de seis filhos, a Esperança nasceu na província do Huambo, no planalto central. Juntou-se ao desporto paralímpico em 2008, mas a esperança da realidade de concluir o ensino médio bem como a sua crescente carreira de atleta paralímpica tornou-se cada vez mais distante.

Ao assinar o acordo de patrocicínio Paralimpico com a bp Angola em 2011, pouco sabia que o mesmo iria tranformar para sempre a sua vida.  Nessa altura, a Esperança tinha 19 anos e estava a iniciar o 11° ano no instituto de Formação de Professores – Garcia Neto -, um dos estabelecimentos de educação líder em formação inclusiva em Luanda. 
 

‘’Vindo de uma familia humilde e de uma sociedade que presta pouca atenção à pessoas portadoras de deficiência física, fez com que eu tivess que redobrar os meus esforços para alcançar os meus sonhos’’. Afirmou a Esperança durante a cerimonia de assinatura há 9 anos atrás. A sua determinação em vencer foi maior que a cegueira parcial que ofuscou os seus sonhos em se tornar atleta paralímpica bem como uma professora de sucesso; mas a assinatura do acordo trouxe-lhe bastante sucesso dentro e fora das pistas. 

A arte de ensinar

Foi graças a bp, parceiro do Comité Internacional Paralímpico, que a Esperança conseguiu concluir a sua licenciatura em Pedagogia no Instituto Politécnico Metropolitno de Angola. ‘’Ensinar é algo muito bom para mim. Quando dou aulas, passo conhecimento para os alunos e, também aprendo deles. Gosto da minha profissão; prepara os alunos para a vida’’ Esperança disse. 

A Esperança ensina várias disciplinas, desde a língua Portuguesa a Matemática, Geografia e Ciências da Natureza.

Clique aqui para ver o video da Esperanca Gicasso que desafia o conceito errado que as pessoas têm sobre a sua deficiência

 

Antes da pandemia da COVID-19 e a subsequente quarentena, a Esperança, caminhava 800 metros de sua casa até ao Instituto de ensino de deficientes visuais óscar Ribas, dando aulas na escola em que estudou. ‘’é um previlégio para mim’’.

A tecnologia jogou um papel preponderante no seu desenvolvimento como professora. ‘’Agora as coisas tornaram-se mais faceis’’ explicou.‘’

Hoje em dia o Braille já não é usado nas universidades. O aplicativo é instalado em computadores.  Mas continuamos a ensinar Braille para os alunos a partir dos 6 anos pois farão uso do mesmo no decorrer das suas vidas, quernos elevadores quer em embalagens de medicamentos. 

 

A professora que corre

A Esperança conquistou até aqui 17 medalhas na sua brilhante carreira, sendo 4 de ouro, oito de prata, e cinco de bronze em competições multiplas. Olhando para trás nos eventos em que participou, ela destaca o Campeonato Mundial de Para-atletismo em 2017 em Londres como uma das mais memoráveis. 

‘’Lembro-me vividamente o dia em que venci as medalhas de prata e bronze. Ela disse. ‘’Até hoje não consigo acreditar como fui capaz de alcançar tal feito, foi inacreditável’’. A Esperança é agora uma paralímpica veterana tendo participado nos jogos de Londres 2012 e Rio de 2016. Os seus feitos têm atraido muita atenção da mídia e com eles, a adulação dos seus alunos.

A professora que corre

A Esperança conquistou até aqui 17 medalhas na sua brilhante carreira, sendo 4 de ouro, oito de prata, e cinco de bronze em competições multiplas. Olhando para trás nos eventos em que participou, ela destaca o Campeonato Mundial de Para-atletismo em 2017 em Londres como uma das mais memoráveis. 


‘’Lembro-me vividamente o dia em que venci as medalhas de prata e bronze. Ela disse. ‘’Até hoje não consigo acreditar como fui capaz de alcançar tal feito, foi inacreditável’’. A

 

A Esperança é agora uma paralímpica veterana tendo participado nos jogos de Londres 2012 e Rio de 2016. Os seus feitos têm atraido muita atenção da mídia e com eles, a adulação dos seus alunos.