1. Home
  2. Quem somos
  3. A bp em Angola

A bp em Angola

Ao longo dos últimos 29 anos, a bp tem sido um parceiro extremamente comprometido com Angola
A bp encontra-se em Angola desde os anos 1970 e nos anos 1990, adquiriu interesses em quatro blocos marítimos de águas profundas, situados a cerca de 200 quilómetros a noroeste de Luanda

 

A bp está empenhada em manter operações seguras, confiáveis e sustentáveis em Angola, melhorando os resultados da exploração e produção e contribuindo para o desenvolvimento social e económico de Angola.

 

A bp é um dos maiores investidores estrangeiros em Angola, tendo investido mais de 30 mil milhões de dólares até ao fim de 2018. Somos o operador dos blocos 18 e 31 e possuímos um interesse não operacional nos blocos 15, 17 e 20  bem como na unidade de produção Angola LNG no Soyo.

No contexto da bp global, a bp Angola é um dos centros fundamentais de exploração e desenvolvimento de hidrocarbonetos da bp e um elemento chave da actividade do grupo bp na exploração e produção em águas profundas. Possuímos interesses em 6 blocos marítimos em águas profundas e ultraprofundas, bem como numa unidade de produção de Gás Natural Liquificado em Angola.

As nossas actividades em Angola constituem uma parte importante da carteira do grupo.  A produção líquida total dos nossos activos operados e não operados em Angola foi de 115 mil barris de petróleo por dia em 2019. 

 

A bp Angola emprega mais de 450 funcionários repartidos por Angola e pelo Reino Unido. Cerca de 88% dos postos de trabalho e 80% dos cargos de liderança são ocupados por cidadãos angolanos.

 

Contratos de partilha da produção

A bp opera em Angola ao abrigo de acordos de partilha da produção que estabelecem os termos do compromisso com o governo angolano. Os contratos proporcionam um enquadramento para a nossa relação com a Concessionaria e incluem provisões relativas a questões financeiras sobre a forma como os custos do investimento são recuperados e os lucros são partilhados, bem como provisões respeitantes a questões não financeiras, tais como a higiene, a segurança e o ambiente, a necessidade de recrutar e desenvolver cidadãos nacionais e o uso preferencial de mão-de-obra e materiais locais, sempre que tal seja possível.