1. Home
  2. Notícias
  3. Press releases
  4. BP estabelece ambição de ser neutra em carbono até 2050

BP estabelece ambição de ser neutra em carbono até 2050

Publicado em: 12/02/2020

Hoje, a BP estabeleceu uma nova ambição de se tornar uma empresa neutra em carbono até 2050, ou antes disso, e ajudar o mundo a atingir a mesma marca. Essa ambição é apoiada por dez objetivos: 

 


Cinco objetivos para tornar a BP uma empresa neutra em carbono:

  1. Fazer as operações da BP serem completamente neutras em carbono até 2050 ou antes disso.
  2. Fazer a produção de petróleo e gás da BP ser completamente neutra em carbono até 2050 ou antes disso.
  3. Corte de 50%, até 2050 ou antes disso, do fator de emissão de carbono dos produtos que a BP vende.
  4. Instalar medição de metano em todos os principais locais de processamento de petróleo e gás da BP até 2023 e reduzir em 50% o fator de emissão de metano das operações.
  5. Aumentar a proporção de investimentos em empresas que não são de petróleo e gás ao longo do tempo.

 


Cinco objetivos para ajudar o mundo a ser neutro em carbono:

  1. Defesa mais ativa de políticas que apoiem a neutralidade em carbono, inclusive a precificação do carbono.
  2. Incentivar ainda mais a força de trabalho da BP a atingir os objetivos e mobilizá-la para defender a neutralidade em carbono.
  3. Estabelecer novas expectativas para o relacionamento com associações setoriais.
  4. Ser reconhecida como líder em transparência dos relatórios e apoio às recomendações da Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD, na sigla em inglês).
  5. Lançar uma nova equipe para ajudar países, cidades e grandes empresas a descarbonizar.

 

Para alcançar essa ambição, a BP se reorganizará fundamentalmente para se tornar uma empresa mais focada e  mais integrada, composta por:

Quatro grupos de negócios para oferecer desempenho e valorizar o crescimento:

Produção e Operações; Clientes e Produtos; Gás e Energia de Baixo Carbono;Inovação e Engenharia.

Três integradores para identificar e maximizar as oportunidades: Sustentabilidade e Estratégia; Regiões, Cidades e Soluções; e Trading e Shipping.

Quatro facilitadores principais para dar suporte à entrega do negócio: Finanças; Jurídico; Pessoas e Cultura; e Comunicação e Advocacy.

 

A BP está comprometida em manter sua performance enquanto transforma a empresa e seus negócios:

 

Nenhuma mudança nos compromissos fundamentais da BP:

- para operações seguras e confiáveis

- para entregar a proposta de investimento da BP, incluindo compromissos sobre:

  •  fluxo crescente de caixa livre sustentável e distribuições de dividendos aos acionistas em longo prazo;
  •  manter uma robusta estrutura financeira e disciplina de custos e capital, e desalavancagem do balanço;
  •  entrega das metas de fluxo de caixa livre para 2021.

 

A BP sediará uma reunião com o mercado em setembro sobre sua estratégia e planos de curto prazo.

 

 

Novo propósito e ambição

O novo CEO da BP, Bernard Looney, anuncia hoje um novo propósito e uma nova ambição para a empresa.

O novo objetivo da BP é reimaginar a energia para as pessoas e para nosso planeta.
O objetivo é sustentado por uma ambição líder no setor - que a BP se torne uma empresa neutra em carbono até 2050 ou antes, e que ajude o mundo a atingir a mesma meta - e essa ambição é apoiada por dez objetivos.
Para entregar tudo isso, a BP transformará fundamentalmente toda a organização e manterá o compromisso de executar enquanto estiver transformando.Bernard Looney disse:

 

O orçamento mundial de carbono é finito e está acabando rapidamente; precisamos de uma transição rápida para carbono zero. Todos queremos energia confiável e acessível, mas isso não é mais suficiente. Também deve ser mais limpa. Para conseguir isso, trilhões de dólares precisarão ser investidos na reposição e religação do sistema de energia do mundo. Será necessário repensar a energia como a conhecemo.Bernard LooneyCEO - Global BP

 

Isso certamente será um desafio, mas também uma tremenda oportunidade. Está claro para mim e para nossos stakeholders que, para que a BP faça sua parte e sirva ao nosso propósito, precisamos mudar. E queremos mudar - isso é a coisa certa para o mundo e para a BP.Bernard LooneyCEO, Global BP

 

Helge Lund, presidente do conselho da BP, comentou:

 

“Os mercados de energia estão mudando, impulsionados pelas mudanças climáticas, tecnologia e expectativas da sociedade, e o Conselho apoia Bernard e seu novo time de liderança na BP. O objetivo de ser neutra em carbono não é apenas a coisa certa para a BP, é a coisa certa para nossos acionistas e para a sociedade em geral. Ao embarcarmos nessa ambiciosa agenda, manteremos um forte foco em operações seguras, confiáveis e eficientes e no cumprimento das promessas que fizemos aos nossos investidores”.Helge Lundpresidente do conselho da BP

 

Reimaginando energia


A nova ambição da BP de ser uma empresa neutra em carbono até 2050 ou antes cobre as emissões de gases de efeito estufa de suas operações em todo o mundo, atualmente cerca de 55 milhões de toneladas de CO2 equivalente (MteCO2e) por ano, e o carbono contido no petróleo e gás produzido, atualmente equivalente a cerca de 360 Mte de CO2e por ano - ambos em base absoluta. Tomados em conjunto, a entrega desses objetivos equivale a uma redução de emissões para zero do que atualmente é de cerca de 415 Mte de CO2e por ano.

 

“É isso que queremos dizer com tornar a BP neutra em carbono. Essa redução de emissões para zero aborda diretamente todo o carbono que extraímos do solo, bem como todos os gases de efeito estufa que emitimos em nossas operações. Essas serão reduções absolutas, e é disso que o mundo precisa. Se isso acontecesse com cada barril de petróleo e gás produzido, o problema de emissões para o nosso setor seria resolvido. Mas é claro que o mundo não é tão simples; todo o sistema de energia precisa ser transformado e todos têm uma contribuição a fazer - produtores e vendedores de energia, formuladores de políticas e todos que usam energia”.Bernard LooneyCEO da BP

 

Portanto, a BP também visa ajudar seus clientes a reduzir suas emissões reduzindo pela metade a intensidade de carbono dos produtos que vende, novamente em 2050 ou mais cedo - oferecendo aos clientes mais e melhores opções de produtos com baixo e sem carbono.

 

A BP também visa instalar a medição de metano em todos os principais locais de processamento de petróleo e gás até 2023 e reduzir a intensidade de metano de suas operações em 50%.
E, com o tempo, a BP também visa aumentar a proporção de investimentos feitos em negócios que não são de petróleo e gás:

 

“Esperamos investir mais em negócios de baixo carbono - e menos em petróleo e gás - ao longo do tempo. O objetivo é investir com sabedoria em negócios onde possamos agregar valor, desenvolver em escala e entregar retornos competitivos”.Bernard LooneyCEO, Global BP

 

A ambição também inclui uma série de objetivos destinados a apoiar o progresso do mundo em direção à neutralidade de carbono:

  • Advogar mais ativamente por políticas que apoiam neutralidade de carbono, incluindo precificação de carbono; encerrar campanhas de publicidade corporativas e redirecionar recursos para promover políticas, ideias, ações, colaborações e a ambição de ser neutra em carbono
  • Incentivar a força de trabalho global da BP para cumprir os objetivos e mobilizá-los para se tornarem defensores da neutralidade em carbono; aumentar o percentual de remuneração associado à redução de emissões.
  • Definir novas expectativas para o relacionamento da BP com associações setoriais, defendendo as opiniões da BP sobre mudanças climáticas, sendo transparente onde as opiniões diferem e estar preparado para deixar aquelas em que o alinhamento não puder ser alcançado.
  •  Ser reconhecido como líder do setor pela transparência dos relatórios, trabalhando construtivamente com o TCFD e outros grupos para desenvolver boas práticas e padrões para a transparência dos relatórios. A BP anunciou hoje seu apoio às recomendações do TCFD.
  • Lançamento de uma nova equipe para criar soluções integradas de energia limpa e mobilidade para ajudar países, cidades e empresas em todo o mundo a se descarbonizarem.

 

Reinventando a BP

 

A estrutura organizacional da BP - e de grande parte da indústria - é a mesma há mais de um século, dividida em organizações separadas - upstream, downstream e outros negócios. Para cumprir sua nova ambição e objetivos, a BP passará por uma reorganização fundamental. 

 

“Precisamos reinventar a BP. Nossa estrutura histórica nos serviu bem, mas, para acompanhar as demandas dos clientes em rápida evolução e as expectativas da sociedade, precisamos nos tornar mais integrados e focados. Portanto, estamos realizando uma grande reorganização, introduzindo uma nova estrutura, uma nova equipe de liderança e novas maneiras de trabalhar para todos nós”.BernardCEO, Global BP

 

Segundo os planos, os segmentos de negócios existentes e amplamente autônomos da BP – upstream e downstream - serão desfeitos e o grupo reorganizado globalmente em uma entidade mais focada e mais integrada, composta por 11 equipes. Os chefes dessas equipes formarão a nova equipe de liderança da BP.

 

O desempenho e o crescimento de valor serão entregues por quatro grupos de negócios:

  • Produção e operações, liderada por Gordon Birrell, será o novo centro operacional da BP, reunindo suas operações, focadas em promover segurança, eficiência e crescimento de valor.
  • Clientes e produtos, liderados por Emma Delaney, se concentrarão nos clientes como força motriz dos produtos e serviços de energia do futuro, e na experiência dos clientes e expansão em mercados em rápida mudança.
  • Gás e energia de baixo carbono, liderada por Dev Sanyal, unirá equipes de energia atualmente dispersas pela BP para criar soluções focadas em baixo carbono. Também buscará oportunidades em descarbonização e novas cadeias de valor, como hidrogênio e CCUS.
  • Inovação e engenharia, liderada por David Eyton, trará um impulso adicional aos investimentos da BP e do Launchpad e atuará como um catalisador para a criação de valor a partir de oportunidades disruptivas. Também abrigará a disciplina de engenharia da BP e a equipe de segurança e risco operacional.



Três integradores serão estabelecidos para identificar e maximizar oportunidades para a BP:

  • Estratégia e sustentabilidade, liderada por Giulia Chierchia, que vem da McKinsey para se juntar à BP, irá garantir que a sustentabilidade seja incorporada no topo da BP e fornecerá uma abordagem única em todo o grupo para estratégia e alocação de capital.
  • Regiões, cidades e soluções, liderado por William Lin, irá construir o relacionamento com as regiões, cidades e grandes corporações, com o objetivo de desenvolver soluções integradas de energia e carbono que possam reduzir as emissões em escala.
  • Trading & Shipping, liderado por Carol Howle, aproveitará a profunda experiência da BP em seus negócios existentes para ajudar mais efetivamente na captura de novas oportunidades comerciais e agregar valor.

 

Quatro equipes atuarão como facilitadores dos negócios:

  • Finanças, lideradas por Murray Auchincloss.
  • Jurídico, chefiado por Eric Nitcher.
  • Pessoas & Cultura, liderado por Kerry Dryburgh.
  • Comunicação e Advocacy, liderada por Geoff Morrell.

 


Nos próximos meses o novo time de liderança da BP estará focado na construção de suas equipes e no desenvolvimento da estratégia da BP para concretizar esta ambição.

 

“Juntos buscaremos construir uma BP mais ágil, inovadora e eficiente. Uma organização conectada por meios digitais e completamente integrada. Estou confiante de que esse novo time de liderança, junto de todos nós, tem as habilidades necessárias e irá transformar a BP em um negócio próspero de energia sustentável em um mundo neutro em carbono”.Bernard LooneyCEO, Global BP

 

 

 

Desempenhando durante a transformação

 

Apesar do programa de mudança planejado para todo o grupo, os compromissos fundamentais da BP permanecem inalterados - com a segurança e com os investidores.

 

 

“A BP precisa continuar com o desempenho à medida que transformamos. Tão comprometido quanto estou em fazer a transformação acontecer, estou igualmente comprometido com alguns princípios fundamentais que nos serviram bem. Operações seguras e confiáveis sempre sustentarão tudo o que fazemos e continuamos comprometidos em cumprir as promessas que fizemos aos nossos acionistas. Só podemos repensar a energia se formos financeiramente fortes, capazes de pagar os dividendos dos quais nossos proprietários dependem e gerar dinheiro para investir em novos negócios de baixo e sem carbono”.Bernard LooneyCEO, Global BP

 

O compromisso da BP com operações seguras e confiáveis não muda, e a segurança é um valor essencial para nós. A nova estrutura deverá sustentar e fortalecer o desempenho de segurança.

A BP também permanece comprometida com a proposta de investidores de aumentar o fluxo de caixa livre sustentável e distribuir dividendos aos acionistas a longo prazo. A empresa continua comprometida com uma forte estrutura financeira, incluindo a redução da alavancagem do balanço e a manutenção da disciplina de capital, o cumprimento de suas metas de fluxo de caixa livre para 2021 e a manutenção do foco nos custos e na busca de eficiências.

A BP pretende sediar uma reunião com o mercado em setembro, no qual a equipe de liderança compartilhará outras informações sobre a estratégia e os planos de curto prazo da BP.

 

Outras informações:

BP press office, London: +44(0)20 7496 4076, bppress@bp.com

 

Notas:
Este anúncio inclui informações privilegiadas, conforme definido no artigo 7 do Regulamento de Abuso de Mercado nº 596/2014. A pessoa responsável por organizar a divulgação deste anúncio em nome da BP, p.l.c. é Ben Mathews, secretário da empresa.

A BP espera que seus relatórios financeiros externos continuem no segmento atual ao longo de 2020. • Para os fins deste anúncio, a terminologia abaixo tem os seguintes significados:

 

  • neutro em carbono: zero de emissões de GEE, após dedução de sumidouros, remoções ou reduções e conforme determinado de acordo com as metodologias da BP.
  • de forma absoluta: medido em termos de reduções nas emissões totais de GEE, em vez de reduções na intensidade de carbono por unidade de energia.
  • emissões de gases de efeito estufa (GEE) de suas operações: emissões diretas (escopo 1) e indiretas (escopo 2) de GEE (CO2 e metano) em uma base equivalente a CO2 (MteCO2e), conforme relatado pela BP e com base no controle operacional conforme definido no Relatório Anual da BP de 2018 e no Formulário 20-F - consulte a página 48 do Relatório Anual da BP e no Formulário 20-F de 2018.
  • carbono na produção de petróleo e gás da BP: emissões estimadas de CO2 assumindo combustão da produção de petróleo e gás a montante da BP (escopo 3, categoria 11), com base na participação acionária. 
  • intensidade de carbono dos produtos que a BP vende: emissões de GEE do ciclo de vida por unidade de energia com base nas vendas de marketing (conforme descrito na página 32 do Relatório Anual da BP e Formulário 20-F 2018) dos produtos, expressos em gCO2e / MJ. As emissões de GEE do ciclo de vida compreendem a soma de:

          - emissões estimadas de GEE da produção, processamento e transporte, seja pela BP ou por outras partes,             do produto, e

          - emissões estimadas de GEE da combustão assumida do produto.

  • produtos: produtos energéticos (incluindo combustíveis, gás, biocombustíveis e energia, mas excluindo produtos não projetados para uso energético, como lubrificantes ou matérias-primas petroquímicas) e poderão, no futuro, quando previstos na metodologia da BP, incluir produtos não energéticos relevantes, como associados aos sumidouros, remoções ou reduções de GEE, por exemplo projetos de carbono terrestre.
  • intensidade de metano: inclui as emissões de metano das operações de petróleo e gás a montante da BP como uma porcentagem do gás que vai para o mercado dessas operações (com base no controle operacional, conforme definido na página 48 do Relatório Anual da BP e no Formulário 20-F 2018 )
  • base de participação acionária: compreende 100% de participação das subsidiárias e a porcentagem da participação da BP equivalente à sua participação em acordos conjuntos e associadas, mas excluindo a participação da BP na Rosneft.

 

Espera-se que mais informações relacionadas à terminologia acima (e metodologias relacionadas) estejam contidas no próximo Relatório Anual da BP e Formulário 20-F 2019 e no Relatório de Sustentabilidade da BP 2019. Essa terminologia e metodologias relacionadas podem evoluir ao longo do tempo, conforme possível. divulgados de tempos em tempos.


Declaração de precaução:

Para utilizar as disposições de "safe harbor" da Lei de Reforma de Litígios de Títulos Privados dos Estados Unidos de 1995 (o "PSLRA") e a doutrina geral de declarações de advertência, a BP está fornecendo a seguinte declaração de advertência: A discussão neste anúncio contém alguns objetivos, ambições, metas e outras declarações prospectivas - isto é, declarações relacionadas a eventos e circunstâncias futuros, não passados- com relação ao novo objetivo, ambição e estrutura da BP.Essas declarações podem geralmente, mas nem sempre, ser identificadas pelo uso de palavras como 'vontade', 'espera', 'espera-se que', 'objetivos', 'deveriam', 'possam', 'objetivo', 'ambições ',' provavelmente ',' pretende ',' acredita ',' antecipa ',' planeja ',' vemos ',' está comprometido com 'ou expressões semelhantes. Em particular, todas as declarações acima, entre outras, são prospectivas: a nova ambição da BP de ser uma empresa neutra em carbono até 2050 ou mais cedo, incluindo seus objetivos em relação às emissões nas operações, o teor de carbono de sua produção de petróleo e gás; um corte de 50% na intensidade de carbono dos produtos que a BP vende, medição de metano nos principais locais de processamento de petróleo e gás até 2023 e subsequente redução da intensidade das operações de metano, e visa aumentar a proporção de investimentos em negócios que não são de petróleo e gás ao longo do tempo ; visa ajudar o mundo a chegar a neutralidade de carbono; planos para incentivar a força de trabalho global da BP; planos para uma ampla reestruturação do negócio; o objetivo de construir uma BP mais ágil, inovadora e eficiente; compromisso contínuo com operações seguras e confiáveis; compromisso de continuar desempenhando conforme a BP se transforma; compromisso contínuo com a proposta do investidor, inclusive com relação ao crescimento do fluxo de caixa livre e distribuições aos acionistas a longo prazo, e redução da alavancagem do balanço patrimonial, disciplina de capital, entrega de metas para o fluxo de caixa livre para 2021 e foco nos custos e na busca de eficiências; e compromisso com a transparência e advocacia para um mundo de baixo carbono.
 
Por sua natureza, as declarações prospectivas envolvem risco e incerteza, porque se relacionam a eventos e dependem de circunstâncias que ocorrerão ou poderão ocorrer no futuro e estão fora do controle da BP. Os resultados reais podem diferir materialmente daqueles expressos em tais declarações, dependendo de uma variedade de fatores, incluindo: os fatores específicos identificados nas discussões que acompanham essas declarações prospectivas; mudanças sociais na demanda do consumidor; atrasos no ritmo da mudança; desenvolvimento e uso de novas tecnologias; momento de colocar novos projetos em operação; capacidade de explorar oportunidades de crescimento ou investimento; mudanças nas expectativas do público e outras mudanças nas condições de negócios; mudanças adversas nos regimes tributários; o momento, quantum e natureza de certas aquisições e desinvestimentos; níveis futuros de oferta, demanda e preços de produtos da indústria; preço e disponibilidade de combustíveis alternativos; problemas operacionais e de segurança; atrasos no desenvolvimento de infraestrutura para transporte e distribuição; condições do mercado econômico e financeiro em geral ou em vários países e regiões; estabilidade política e social e crescimento econômico em áreas relevantes do mundo; políticas e econômicas nas jurisdições em que operamos; mudanças nas leis e regulamentos governamentais; ações regulatórias ou legais e ações de tribunais; atrasos nos processos de resolução de reclamações; recrutamento e retenção de uma força de trabalho qualificada; relações trabalhistas e ações industriais dos trabalhadores; o sucesso da parceria; as ações de concorrentes, parceiros comerciais, contratados, subcontratados, credores, agências de classificação e outros; nosso acesso a futuros recursos financeiros; interrupção de negócios e gerenciamento de crises; o impacto em nossa reputação de conduta ética e não conformidade com obrigações regulatórias; desastres naturais e condições climáticas adversas; guerras e atos de terrorismo; ataques cibernéticos ou sabotagem; e outros fatores discutidos em outras partes deste anúncio e em "Fatores de risco" no Relatório Anual da BP e no Formulário 20-F 2018, conforme arquivado na Comissão de Valores Mobiliários dos EUA.
 


Informações para Imprensa

 

Cleide Rodrigues

cleide.rodrigues@inpresspni.com.br

+55 11 3323-1581 | +55 11 98466-8934