1. Home
  2. Carreiras
  3. Mulheres na Engenharia

Mulheres na Engenharia

Mulheres, de negócios diferentes da bp, falam sobre os conselhos que as moldaram e incentivaram na carreira de engenharia, mostrando a diversidade de papeis possíveis.

Sandra Souza, engenheira da computação, supervisora de TI na Air bp

 

Sandra trabalha na Air bp há sete anos e é formada em engenharia da computação. Ela começou a carreira na área de desenvolvimento de softwares. Hoje faz parte do business analysis and consultancy e gerencia o desenvolvimento e suporte de sistemas da Air bp, sendo interface entre TI e o negócio.

Defensora da diversidade no local de trabalho, ela conta que na maior parte de sua carreira foi a única mulher na equipe. Nunca encarou como uma barreira e, talvez, por isso acabou trazendo essa pitada de diversidade aos seus times. “Times diversos são mais completos, mais fortes. Cursar engenharia não foi fácil, mas foi uma ótima escolha! A nossa abordagem na solução de problemas é positivamente influenciada por tudo o que estudamos e vivemos no curso e na carreira. Na Air bp encontrei um ambiente de excelência, espírito de colaboração e sinto-me reconhecida por minhas habilidades”.

“Invista no seu desenvolvimento, mantenha a mente aberta e nunca pare de aprender algo novo, mesmo que encontre dificuldades”.

Esse foi o conselho valioso que recebeu do irmão e que a fez tomar a decisão de investir em uma pós graduação direcionada ao desenvolvimento de habilidades de liderança e relações interpessoais que complementaram a engenharia. “Foi um passo decisivo em minha carreira”.

Vanessa Costa, engenheira de processos, gerente de contas na Castrol

 

Engenheira de processos e gestora ambiental, além de mãe de uma menina, Vanessa ingressou na bp em 2016, depois de trabalhar com projetos de engenharia na área de energia em multinacionais, desenvolvimento de novos campos de petróleo, garantia de escoamento e segurança de processos. Foi nessa época, que teve o primeiro contato com a bp por meio de consultoria para o segmento de upstream.

Alguns anos depois, Vanessa assumiu a posição de engenheira de serviços técnicos, na Castrol. Hoje, é gerente de contas, responsável pela rede de distribuidores da companhia na América do Sul.

A engenharia mudou a percepção de Vanessa sobre a disparidade de tratamento entre o homem e a mulher em termos profissionais, e a fez refletir e atuar mais ativamente suportando mulheres da área técnica. “Além de desempenhar minhas atividades com excelência, meu papel na bp é  contribuir para um ambiente cada vez mais igualitário, apoiando as iniciativas de diversidade e inclusão no ambiente corporativo”.

“Acredite em você e não olhe para trás! Busque referências em outras mulheres em posição de liderança, construa uma rede de apoio”. Esse foi o conselho que Vanessa recebeu de uma colega engenheira enquanto era estagiária no início de carreira, mas ela conta que “em uma área majoritariamente masculina onde a mulher precisa constantemente provar-se capaz, confiar em si é imprescindível para alcançar algo. Participar de fóruns de discussão sobre o tema fez muita diferença em minha trajetória profissional.”

Na bp participou por três anos do comitê de mulheres bpWIN STEM, suportando mulheres da área técnica globalmente. “Foi muito gratificante saber que eu poderia atuar como engenheira e ainda contribuir para uma sociedade mais igualitária. Na bp contamos com um ambiente de excelência técnica, onde o respeito e a segurança são valores profundamente incorporado, é uma experiencia prazerosa e de constante desenvolvimento”, finaliza.

Brenda Ruhle, engenheira de produção, gerente de compliance para bpce

 

Brenda Ru?hle – BP Energy Co.

Brenda está em sua segunda passagem pela bp. Mãe de duas filhas, e com uma trajetória profissional que passa por um mestrado em Logística na Escócia e uma segunda faculdade em Direito, ela atuou no time de compliance em Londres e oito anos depois de retornar ao Brasil e atuar em outro setor de energia, ingressou novamente na bp, dessa vez no negócio de comercialização de energia sendo responsável por garantir que a atividade de trading seja realizada conforme as políticas e procedimentos internos da bp e do Setor Elétrico Brasileiro.

“Trabalhar na bp é sentir-me à vontade para expressar meus pensamentos, sugerir ideias, pois sei que serei ouvida com respeito, aqui tenho toda a segurança que preciso para trabalhar dando o meu melhor”.

Para Brenda, mostrar o potencial e a capacidade de se adaptar e crescer em funções cada vez mais complexas é tão importante quanto o desempenho bem-sucedido no trabalho atual.  Em certo momento, estava lutando com as decisões importante sobre sua carreira e o conselho de seu diretor fez toda a diferença: “Seja corajosa! Escolha o trabalho que você ame e não se preocupe muito com fatores externos, apenas vá, trabalhe todos os dias e faça a diferença!”

Isso foi decisivo para que ela aceitasse a oportunidade de estruturar completamente um departamento de Relações Internacionais e Governamentais, sua área dos sonhos, na empresa que trabalhava. “Ninguém tem todos os requisitos para um novo emprego a princípio, portanto, importante ser corajosa. A engenharia me ajudou a ter método e tornou-me uma pessoa mais adaptável e assertiva”.